segunda-feira, 4 de abril de 2016

Tudo começa na mente!

E às vezes vais na rua e de repente sentes o coração a bater num ritmo frenético, as mãos começam a suar frio, o cérebro desenrola um novelo de pensamentos que não fazem sentido nenhum e de repente parece que o mundo vai acabar e que vais morrer ali.
E porquê? Porque é que de repente coisas que eram tão fáceis de fazer passaram a ser grandes desafios? Porque é que acções que nem implicavam pensar de repente parecem monstros assustadores?
O cérebro é uma coisa complicada e por vezes gosta de se complicar ainda mais.

Todos sabemos que não dá para apagar memórias, não podemos simplesmente querer esquecer algo - até porque sempre que queremos esquecer algo, estamos na verdade a lembra-lo, a aumentar a sua intensidade e a criar novos sentimentos e pensamentos à volta dessa memória.
Então o que podemos fazer para vencer o cérebro? Como podemos voltar a ser donos da nossa mente em vez de ser ela o nosso dono?

Simplesmente questionando-a.

Se vão na rua e de repente entram em pânico com medo de ser atropelados, parem e comecem a questionar a vossa mente (não parem se tiverem no meio da estrada, óbvio).
Conversem com ela - não, não fiquei louca - perguntem-lhe de que tem medo se não vem nenhum carro, perguntem-lhe porque se assusta se o sinal está verde, perguntem-lhe que sentido faz tudo aquilo. E por muito que vos pareça absurdo a mente responde-vos, vocês vão-se aperceber que de repente vão pensar coisas como "todos os dias morrem centenas de pessoas atropeladas" e é nesta altura que tem de continuar a batalhar com a vossa mente: "é verdade, mas nós não vamos ser uma delas porque temos cuidado a atravessar a estrada", "sim eu sei, mas eu nunca atravesso se vier lá um carro".
Ao responder à vossa mente estão a criar novos pensamentos, sentimentos e memórias à volta daquela emoção assustador e aos poucos o vosso cérebro vai começar a abrir as janelas certas e o pânico vai começar a ir embora.

É claro que não acontece de um dia para o outro, é claro que terão muitas crises, até porque é muito difícil questionarem-se nos 5 segundos iniciais de uma crise e é aqui que tem que o começar a fazer, mas aos poucos conseguem e aos poucos vão vencendo o medo e vão voltando a ser os autores da vossa história.

Desafio-vos todos a fazer isto, seja com um ataque de pânico, seja com uma crise de ansiedade por antecedência (acontece tanto não é verdade, sofrer por antecedência?), seja com pensamentos negativos.
É sempre possível refutar a nossa mente, é sempre possível criar novas formas de pensar e de lidar com as coisas.
E quando aprendem a fazê-lo torna-se fácil e meus amigos, sejamos sinceros a vida já nos apresenta tantos dramas e problemas não queremos realmente que a nossa mente seja mais um pois não?
Então dediquem-lhe tempo, destruam-lhe as bases do medo e do preconceito, cuidem da vossa mente da mesma forma que gostam de cuidar do vosso corpo. Não vos adianta de nada, ter um corpo são se a mente não o estiver.


Para quem quiser aprofundar este tema e para quem quiser aprender mais sobre como refutar a mente e como criar janelas saudáveis, recomendo pelo menos dois livros "revolucione a sua qualidade de vida" onde é tudo explicado por a + b e o "armadilhas da mente" que embora tenha muita psicoterapia tem um bocadinho de romance o que ajuda à leitura. São ambos do Augusto Cury.

Sem comentários:

Enviar um comentário